12th Nov2010

Notícias de Casa

by Pedro Henrique Gomes
Se Gitai construiu uma carreira relevante no campo da ficção, também o fez quando se colocou frente a frente a questões de seu interesse nos documentários que rodou. Notícias de Casa fecha a trilogia iniciada com Casa (1980) e A Casa em Jerusalém (1998), filmes que compõem um painel abrangente sobre o retorno de Gitai a suas raízes anos depois de a “deixar”, anotando (não sem certo estranhamento com aquilo que presencia e registra) e notando o estado das coisas, voltando seu olhar uma casa em Jerusalém. São lembranças de um povo, suas memórias e seus anseios (que não são os mesmos de 25 anos atrás, tempo de sua primeira visita) que estão em jogo. Nesse reencontro, nessa busca por entender as coisas, Gitai irá constatar que elas, uma vez expostas a ação do tempo e das consequências que ele carrega em si, jamais estarão imóveis. O cineasta israelense filma tudo isso com o rigor de sempre, que resulta numa beleza exótica, seja pelo plano-sequência ou pelo movimento constante de sua câmera.
A função aparente de Gitai, como documentarista de corpo presente que “invade” o quadro muitas vezes, é registrar o movimento constante do mundo e das pessoas, a diáspora criada pelo tempo que deixou suas marcas na tal casa do título – mas também é uma busca pelo “retorno as origens”, para não só ver as coisas, mas questioná-las e senti-las. Como bom arquiteto (literalmente, pois Gitai é formado na arte de Niemeyer e Gaudí). A câmera embrenha-se pelas ruas, pelas curvas das casas ou mesmo de carona no andamento de veículos automotores. Seja onde for, há sempre o movimento, não há estatismo. Como mesmo um arqueólogo, Gitai vai se fazendo parte daquilo que filma. Ainda assim, vale ressaltar que, quando necessário, a câmera apenas observa, e daí tira cenas no mínimo lindas, seja de condução narrativa (técnica de câmera) e exploração do espaço e dos documentados. Como quando uma de suas entrevistas resulta num longo jogo de plano-contra-plano ao som de uma canção nativa – que além de bela, revela a naturalidade e intimidade do documentador para com o documentado, criando uma das sequências mais interessantes do filme.
Não podemos pensar no futuro se não cuidarmos do presente. Nessa constatação proferida por um dos entrevistados, está um argumento que é próprio ao filme. Gitai, como cidadão israelense, está lá registrando toda uma situação específica (e certamente bastante peculiar aquele “espaço-mundo” e aquelas pessoas), mas não menos universal pela complexidade de sua veia política, que investiga e questiona o caos social, ora traçando um panorama geral do momento anterior para chegar ao contemporâneo. E isso não é somente um privilégio apenas concedido pelo registro realista centrado no doc-político, como visto aqui, mas também é presente em toda essa vasta obra. A urgência ao tecer um filme político é sempre a mesma – até porque Gitai é um cineasta que somente faz o que faz na esperança de que, através do cinema (é difícil pensar em outro veículo principal atualmente para exercer essa função cultural), algo se transforme.
Também é curioso notar a flexibilidade de Gitai ao transitar categoricamente entre a ficção e o documentário, fazendo às vezes de sua própria obra dentro dela mesma. Não por acaso Gitai termina seu filme falando de outro, num diálogo dentro de sua própria obra entre a realidade e a ficção, ao mostrar uma atriz (Natalie Portman) interpretando o olhar a uma estrada numa viajem de trem rumo à Jordânia. Para Gitai, um dos entrevistados, já na última entrevista do filme, diz: “Seu filme é sobre o passado, eu estou preocupado com os meus problemas atuais”. Essa constatação por parte do documentado reflete no filme como uma solução em si mesmo, e que acaba escapando ao próprio diretor: Notícias de Casa é, assim como a vida e tudo que a cerca, um pedaço do mundo.
(News from Home/News from House, Israel, 2006) 
Direção de Amos Gitai
Roteiro de Amos Gitai
Com Amos Gitai, Claire Cesari

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *