27th Dec2013

Os 13 melhores de 2013

by Pedro Henrique Gomes

Tabu-gall1

Tabu, de Miguel Gomes (Portugal, 2012) – Crítica aqui.

Um toque de pecado

Um Toque de Pecado, de Jia Zhang-ke (China, 2012) – Crítica de Ricardo Vieira Lisboa aqui.

azul

Azul é a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche (França, 2013) – Crítica aqui.

A-Caverna-dos-Sonhos-Perdidos-e1362164610785

Caverna dos Sonhos Esquecidos, de Werner Herzog (Canadá/França/EUA/Alemanha/Reino Unido, 2010) – Crítica aqui.

a bela que dorme

A Bela Que Dorme, de Marco Bellocchio (Itália, 2011) – Crítica aqui.

O-Som-ao-Redor

O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho (Brasil, 2012) – Crítica aqui.

avisitantefrancesa

A Visitante Francesa, de Hong Sang-soo (Coréia do Sul, 2012) – Crítica de Leonardo Bomfim aqui.

spring-breakers

Spring Breakers – Garotas Perigosas, de Harmony Korine (EUA, 2012) – Crítica de Pedro Henrique Ferreira aqui.

estranho no lago

Um Estranho no Lago, de Alain Guiraudie (França, 2012) – Crítica de Inácio Araújo aqui.

depois de maio

Depois de Maio, de Olivier Assayas (França, 2012) – Crítica aqui.

o-mestre

O Mestre, de Paul Thomas Anderson (EUA, 2012) – Crítica aqui.

444

4:44 Last Day on Earth, de Abel Ferrara (EUA, 2011) – Crítica de Fábio Andrade aqui.

crazy-horse

Crazy Horse, de Frederick Wiseman (EUA/França, 2011) – Crítica de Bruno Carmelo aqui.

Vários filmes entraram em cartaz em Porto Alegre apenas este ano após terem estreado em outras cidades ainda em 2012 (Mistérios de Lisboa, Holy Motors, As Quatro Voltas etc), mas considerei, para esta lista, a data de estreia nacional. Mistérios de Lisboa, aliás, seria o primeiro da lista. Como o foi na minha seleção de melhores do ano publicada no Zinematógrafo #6.

01st Mar2013

O Som ao Redor

by Pedro Henrique Gomes

Primeira sequência: a câmera desliza entre carros e paredes do estacionamento de um prédio até chegar ao pátio. Crianças brincam, as babás, pais e mães cuidam cada movimento que realizam. No fundo, outros prédios, provavelmente com outros pátios e quadras cheio de crianças e babysitters. Através do olhar das pessoas que espiam, das janelas de seus quartos, percebemos apenas outras janelas, com outros quartos com pessoas dentro. A relação do olhar do espectador com o tempo e com o espaço é o caminho para o som: no cinema, ele vai se propagar só no tempo e no espaço, na colossal confecção dessa atmosfera tão intimamente conectada com os avatares do real. Mas há, logo de partida, uma dificuldade “no ar”: o que são esses ruídos? o que eles estão dizendo? o que os impulsiona? quais são seus limites? O Som ao Redor é assim mesmo: todo atravessado pela multiplicidade dos fatores em jogo, pelos efeitos do real incidindo no tecido social recifense.

Mas o filme de Kleber Mendonça Filho não adere a teses mais herméticas do que o próprio panorama estético das cidades emana. Nada de mostrar como o corpo social não é tal qual a pólis grega, em toda sua acepção política na questão da afirmação da liberdade humana. Ele filma a coisa mesma, a política (que como nos lembra Hannah Arendt, corrigindo o pensamento comum a respeito dos escritos aristotélicos, nada tem a ver com a ideia de que “todo homem é um ser político” – só é político, para Aristóteles, se for livre, isto é, se tiver acesso a pólis), a relação das pessoas com suas intimidades; sensações, desejos, angústias e a crueldade ululante que toma conta do fluxo dos sonhos (representado com força em uma sequência plenamente temporal e espacial, dignificante da condição repleta de medos e maus sentimentos que tomam conta dos personagens). Ora, o tal som que preenche o espaço (e se espalha ao redor dele) fala também justamente do espaço e do tempo. É das dimensões espaço-temporais que a imagem se serve, sem curvar-se para os limites geográficos da acumulação de vidas vertical e mecanicamente. Ao contrário, O Som ao Redor produz o tempo de acontecimento da ação e o tempo passado; comoção e vingança, laços sociais fragilizados e estilhaçados. Em meio a isso, flashes de um tempo em que as ruas tinham mais árvores e casas sem cerca. Coisas disputáveis, momentos cintilantes de observação social que jamais arrefecem diante da possibilidade de narrar a complexidade do mundo – e de narrar à complexidade do mundo, afinal.

São imagens que combinam (a título apenas de ilustração) com as ideias de Lefebvre sobre a sobrevivência do capitalismo enquanto ele souber criar novos espaços exploráveis. É precisamente isso que a segurança particular vai oferecer aos moradores, a reorganização espacial, isto é, o estabelecimento de mais e mais métodos preventivos, medidas cautelares, walkie talkies a postos. Assim, amplifica-se a sensação do medo, da invasão (de novo, o sonho de todas as noites). Invasão que é, por sua vez, plenamente física, portanto espacial. Difuso e confundido com a convivência dos moradores numa rua de “classe média” do Recife, o som saboreia as várias cores dos interesses humanos. É nesse sentido que ele é importante para as histórias, que são a um só tempo particulares, mas quase todas bem comuns – localizáveis, identificáveis. A própria existência de uma comunidade regulada por uma estagnação de valores simboliza a multiplicação das questões: o especulador imobiliário que se coloca contra a demissão do porteiro em uma reunião de condomínio, seu primo que rouba carros no bairro, a chegada da segurança particular que visa proteger os clientes, os conflitos entre a vizinhança, a mãe que se esforça para cuidar dos filhos enquanto sofre com os latidos de um cachorro vizinho. Todas as coisas tão profundas e tão banais.

A rede de valores, agora monetários, que moldam a representação das pessoas e permeiam as conversas dos habitantes do bairro, dão vazão a essas imagens da agonia. A praia aparece apenas no escuro, no dia em que Francisco, proprietário de vários imóveis da rua, sai para um banho durante a madrugada – o dono da rua vai lá purificar o espírito. Depois disso, os tubarões do Recife só são vistos de cima, lá do alto dos prédios (e dentro deles). Há um delírio coletivo instaurado, uma iconologia se oferecendo para ser investigada e demolida. O ajuste social das ruas transa com a potência desoladora dessa realidade que nos é tão cara. O lastro assustador da violência traça um panorama repleto de microuniversos distantes apesar da proximidade e da semelhança, dos sujeitos do horror. Aquelas construções diferentes, mas todas iguais. Pois a violência de que trata o filme é também estética, e se ela é tão aberrante que fere o corpo em todos os sentidos (da audição a visão), nada mais justo do que, enfim, desmistificá-la, trazer o olhar para dentro, de dentro.

(O Som ao Redor, Brasil, 2012) De Kleber Mendonça Filho. Com Irandhir Santos, Gustavo Jahn, Maeve Jinkings, WJ Solha, Clébia Souza, Irma Brown, Albert Tenório, Rivaldo Nascimento, Yuri Holanda, Bruno Negaum.

Publicado originalmente no Zinematógrafo.